Voltar

Casa de Investimentos
“Não queremos obrigações do estado português”

Embora Emília Vieira, a presidente da Casa de Investimentos, se tenha oferecido a deslocar a Lisboa, o nosso cliente-mistério preferiu visitar as instalações da sociedade gestora de patrimónios em Braga. Foi a mais longa reunião que teve: duas horas. Na altura da reunião, no final de maio, as carteiras dos clientes estavam concentradas no mercado acionista. A equipa não fez qualquer investimento em obrigações nos últimos três anos. “Também podemos investir em obrigações, se for preciso”, esclarece Emília Vieira. “Porém, as boas obrigações estão a pagar muito pouco, 1% ou pouco mais, e não queremos obrigações do Estado português. Como empresa, o Estado gere muito mal o nosso dinheiro.” A presidente da Casa de Investimentos acredita que terá de haver uma reestruturação da dívida pública, pelo menos no alargamento de prazos. “Para nós, investir em ações certas tem um risco menor do que investir em algumas obrigações.”

Emília Vieira explicou que o seu método é simples: selecionam um grupo restrito das melhores empresas do mundo, analisam- -nas profundamente e, quando as suas ações transacionam a um preço inferior ao seu valor justo, investem. Ao longo do tempo, procuram resistir à tentação de negociar. Para definir o valor justo, a equipa baseia-se na filosofia do investimento em valor, desenvolvido por Benjamin Graham e David Dodd e cujo mais conhecido praticante é Warren Buffett, a terceira pessoa mais rica do mundo, segundo a Bloomberg. Como introdução a esta filosofia, Emília Vieira ofereceu ao nosso cliente-mistério “O Livro do Investimento em Valor”, de Christopher Browne, publicado pela Caleidoscópio com o apoio da Casa de Investimento.

Em cerca de 3 anos, a rentabilidade anual alcançada pelos clientes foi de 16%, um valor líquido de todos os custos. A comissão de gestão cobrada é de 1,95%. A sociedade aceita carteiras a partir de 25 mil euros.