Voltar

Não adianta correr se estivermos na estrada errada.

Warren Buffett

Investir com sucesso depende da disciplina pessoal do investidor e não do facto da “multidão” concordar ou não consigo. É por isso que é crucial ter uma sólida e bem fundamentada filosofia de investimento.

“Buffett diz a mesma coisa todos os anos”, dizia um acionista da Berkshire que também assistia à Assembleia Geral e se queixava que não voltaria a mais nenhuma. Para nós esse é a verdadeira razão de ter uma filosofia de investimento e de sermos capazes de nos manter fieis a ela. Se fizermos o nosso trabalho de casa, se formos pacientes e ignorarmos a multidão e as suas mais recentes folias, conseguiremos bons retornos ao longo do tempo.

Ao longo de mais de cinco horas de perguntas, Warren Buffett (WB) e o seu Sócio Charlie Munger (CM), respondem para uma audiência de cerca de 38 mil accionistas presentes no CenturyLink de Omaha. Foram colocadas 62 perguntas de entre jornalistas, accionistas e analistas. Realço aqui as que nos parecem mais relevantes.

Q. Obama é o maior desmancha prazeres da economia. Outros países estão a baixar impostos e a reduzir défices. Pode convencer Obama a alterar as suas políticas?

WB. Acho que vou deixar que comunique directamente com o Presidente. Não concordo com algumas coisas que disse. As nossas opiniões políticas são muito diferentes, o senhor não me convencerá e eu não o convencerei a si. As empresas americanas estão a ter performances excepcionalmente positivas. Repare nos lucros das empresas e no gráfico dos impostos às empresas relativamente ao PIB. Os impostos às empresas baixaram de 4% para 2% do PIB enquanto que outros impostos subiram. Os retornos americanos nos activos líquidos tangíveis são a inveja de todo o mundo. Vou deixar o Charlie comentar.

CM. Vou evitar esta.

Q. A Berkshire, pela primeira vez, fez pior que o S&P500 num período de cinco anos. Vai alterar o critério de comparação?

WB. Não. Dissemos no relatório anual de 2012 que faríamos pior em bons anos e dissemos que, caso o mercado estivesse forte em 2013, a nossa sequência iria terminar. Nos últimos quarenta anos, o mercado fez melhor que 2013 apenas duas vezes. Nos melhores anos de mercado, teremos performances piores; nos anos mais fracos de mercado, faremos muito melhor. No longo prazo, continuaremos a ter melhores retornos mas não posso garanti-lo.

CM. Warren está a falar de subidas no valor contabilístico após pagar impostos de 35%. Os índices não pagam impostos. Se isto é falhanço, quero mais.

Q. A medida de uma boa administração é a sua capacidade de gerar retornos acima da média mas o tamanho da Berkshire torna isso muito mais difícil. Actualmente, qual é o custo de capital da Berkshire?

WB. Não há dúvida de que o tamanho é uma âncora à performance. Vamos tentar provar isso até ao ponto em que realmente comece a doer. É impossível ter os mesmos retornos quando a base de capital é 300 biliões de dólares. Arquimedes disse que, com uma alavanca suficientemente grande, conseguiria mover o mundo. Gostava muito de ter essa alavanca. O custo de capital é aquilo que conseguimos produzir com a nossa segunda melhor ideia. A nossa melhor idéia tem que exceder esse número. Já ouvi muitas discussões acerca do cálculo do custo de capital...

CM. Nunca ouvi uma discussão inteligente.

WB. O verdadeiro teste é que, no longo prazo, o capital que retemos produz mais que um dólar de valor de mercado. Se conseguirmos investir biliões e adicionar valor à Berkshire que ultrapasse o seu custo, continuaremos a fazê-lo. Vamos investir cerca de 3 biliões numa empresa canadiana e vamos ficar melhor e esse foi o melhor investimento para os 3 biliões nesse dia.

CM. A expressão “custo de capital” é uma que não utilizamos. A definição de Warren – adicionar mais em valor de mercado do que se investe – nunca será utilizada nas escolas de finanças. É simples: nós estamos certos; eles estão errados.

Q. A questão da sucessão de Warren Buffett já foi muitas vezes colocada. Relativamente a Charlie Munger, já foi escolhido o seu sucessor?

WB. O Charlie é o meu canário na mina. Charlie comemorou recentemente o seu 90º aniversário e acho muito encorajadora a forma como ele está a lidar com a meia idade (risos). É uma questão legítima, ninguém fala no sucessor de Charlie. Penso que, quem quer que me substitua como CEO, terá alguém com quem trabalhe de forma muito próxima. É uma excelente forma de trabalhar. A Berkshire é muito melhor porque trabalhamos juntos, não há qualquer dúvida.

CM. Não me parece que o mundo tenha muito com que se preocupar. A maior parte dos homens com 90 anos desaparecerá em breve.

WB. Falou o canário (risos).

Q. Em 2009, disse que se tivesse que investir todo o seu dinheiro numa empresa, essa empresa seria Wells Fargo. Hoje, excluindo a Berkshire, qual seria a empresa?

WB. Essa é uma excelente pergunta mas não vai ter resposta. Charlie, queres responder?

CM. Acho que a tua resposta foi perfeita.

Q. Taxas baixas levaram a uma bolha no imobiliário e, potencialmente, a uma bolha nas obrigações. Vê alguma necessidade de aumentar as taxas?

WB. Quem poderia adivinhar que as taxas se manteriam tão baixas tanto tempo? Posso dizer que fico surpreendido por as coisas estarem a correr tão bem. Este é um “filme” muito interessante, nunca o vimos e não sabemos como vai acabar. Acho que Ben Bernanke foi um herói durante e depois do crash de 2008. Quando as minutas do FED de 2007 e 2008 foram publicadas, verificámos que os membros do FED não estavam a compreender a seriedade do que se estava a passar. Bernanke, no entanto, avançou e fez um trabalho magistral.

CM. No Japão, ninguém poderia ter antecipado que as taxas ficariam tão baixas durante 20 anos e que as acções caíssem durante 20 anos. Às vezes, acontecem coisas estranhas e que confundem os economistas. Na Berkshire, não estamos a comprar obrigações de longo prazo.

WB. Dinheiro é rei, mas só se o investires. As pessoas agarram-se ao dinheiro nas alturas erradas. Taxas de juro a zero tem tido um efeito enorme na economia e no preço dos activos. Não estamos a viver uma bolha mas a situação é muito pouco habitual.

CM. É verdade, estou tão confuso como tu.

Q. Que aquisições estão na mira da Berkshire? O financiamento dessas aquisições poderá vir da venda de outras posições em acções?

WB. Poderão ser uma fonte de financiamento mas é pouco provável que as vendamos. O nosso objectivo é comprar grandes negócios. O nosso objectivo é criar capacidade de gerar lucros e adicioná-la à já existente na Berkshire. Essas oportunidades já são raras. Se a oportunidade for suficientemente grande, podemos recorrer a uma enorme reserva de títulos. Temos 40 biliões e estou disposto a investir 20 biliões. Isto pode acontecer este ano ou daqui a dez, nunca se sabe.

Q. Como determina o seu círculo de competência?

WB. É uma questão de ser realista, o que se aplica às áreas fora dos negócios. Temos sido razoavelmente bons na identificação do perímetro desse círculo. Investi mais no retalho do que em qualquer outra área; penso que é fácil pensar que entendemos o retalho. Comprei a Berkshire, o que foi uma decisão palerma mas que funcionou. Umas pessoas são melhor que outras na avaliação dos seus talentos e limitações. Alguns CEO's não fazem ideia onde começa e acaba o seu círculo de competência. A Berkshire tem gestores que sabem exactamente os seus limites e não jogam fora do círculo. A Sra. B (que vendeu a Nebraska Furniture Mart à Berkshire) não quis acções. Ela sabia exactamente o que fazer com dinheiro e imobiliário e isso fê-la chegar muito longe. Essa capacidade de saber quando as probabilidades estão a nosso favor é um grande activo. Os amigos que nos conhecem muitas vezes dizem-nos: que sabes tu desse assunto?

CM. Não me parece difícil descobrir competências. Se tens 1,6 metros de altura, não vais ser jogador de basquetebol profissional. Se tens 92 anos, não vais ser o protagonista de uma comédia romântica de Hollywood. Se pesas 125 quilos, não vais dançar no Bolshoi e se não sabes contar cartas, não compitas no poker.

WB. Estás a eliminar todos os meus objectivos! (risos)

CM. A competência é um conceito relativo. Cheguei à conclusão que tudo o que preciso de fazer é competir com idiotas e, felizmente, a oferta é enorme. Q. Como é que uma administração pode influenciar a avaliação do valor intrínseco? Que empresa teme mais? No fim de contas, a Coca-Cola tem a Pepsi.

WB. Na realidade, Ben Graham não foi muito específico no cálculo do valor intrínseco. Actualmente, equivale ao valor do negócio se fosse comprado na totalidade. Esopo foi o primeiro a definir valor: um pássaro na mão vale dois a voar. A questão é ter a certeza que estão realmente dois pássaros a voar e a que altitude. Ao calcular o valor intrínseco, Ben Graham dizia que queria dois dólares e pagar um. Fischer utilizava factores qualitativos para estimar o número de pássaros. No início da carreira, fui muito influenciado por Graham, portanto mais quantitativo, depois veio o Charlie Munger e convenceu-me a prestar mais atenção aos factores qualitativos. Se pensarmos em investir em McDonald's, calculamos o dinheiro que entra, o que sai e a que desconto conseguimos comprar. Pergunta essencial: existem ameaças? Não vejo grandes concorrentes para a Berkshire. As capitais de risco estão a comprar empresas e o crédito está barato – portanto concorrem connosco. No entanto, não vejo ninguém que tenha ou esteja a tentar construir um modelo de negócio que tente ir atrás daquilo que estamos a tentar atingir.

CM. O modelo da Berkshire tem pernas para ir muito mais além. É credível. Tem vantagens competitivas muito fortes ao contrário de outras empresas. Algumas empresas cresceram muito mas não conseguiram manter-se grandes. Penso que vamos ser como a Standard Oil (empresa petrolífera monopolista de John D. Rockefeller). As pessoas que gerem a Berkshire deixaram de ser essenciais. Jovens na audiência, não se apressem a vender as acções!

À pergunta de um acionista se a Berkshire estava a investir noutras moedas, Warren Buffett respondeu que atualmente só têm posições em dólares americanos e que a exposição a outras moedas deriva apenas das vendas que as empresas que detêm fazem noutras moedas ao venderem, em todo o mundo, os seus produtos e serviços. As respostas às perguntas sobre educação serão apresentadas no próximo artigo.