Voltar

Há cerca de 20 anos, quando fui estudar para Inglaterra, o jornalista Peter Wise, num extenso artigo no Financial Times dedicado ao nosso país, sob o título “Portugal, the country where know who is better than knowhow”, apresentava o nosso país assim mesmo: o país onde conhecer a pessoa certa (a cunha) é melhor do que ter conhecimentos (ser capaz).

O resultado está à vista de todos: de tempos a tempos lá temos nós que andar a pedir (desta vez à Troika), ir procurar emprego no estrangeiro, ser sobrecarregados com impostos que asfixiam qualquer economia e ver a falta de capacidade prosseguir caminho e comandar. Muitas instituições são chefiadas por gente incapaz, gente sem conhecimento e que destrói valor a toda a economia. É um ciclo vicioso do qual não conseguimos sair e contra o qual desistimos de lutar. Como pode o destino de um povo estar nas mãos de “tolos”?

John Hibben, antigo presidente da Universidade de Princeton, nos Estados Unidos, dizia que o conhecimento prepara as pessoas para os desafios da vida. Concordo completamente. O conhecimento paga dividendos e permite-nos tomar decisões mais esclarecidas, proteger melhor os nossos interesses e assumir de forma consciente e responsável as nossas obrigações.

I - “As pessoas odeiam os bancos porque são ignorantes”

Este é o título de um artigo da Bloomberg, empresa de informação económica e financeira cujos principais clientes são as instituições financeiras. Para todos nós, que nas últimas semanas assistimos à queda do Banco Espírito Santo e à maior delapidação de riqueza de accionistas, obrigacionistas e clientes da história do nosso país, este título é ofensivo e grosseiro. O artigo começa assim:

Regulem os bancos o quanto quiserem. Multem-nos e obriguem-nos a ser mais cuidadosos que os duendes que guardam o ouro dos feiticeiros no Banco Gringott's da saga Harry Potter. Ainda assim, as pessoas desconfiarão sempre dos bancos porque não compreendem o que eles fazem”.

No dia 25 de março deste ano, o Financial Times contabilizava as multas pagas pela banca ao departamento de justiça americana nos últimos dois anos : 100 mil milhões de dólares. Este valor subiu significativamente nos últimos meses. Estas somas, extraordinárias, reflectem uma mudança de atitude dos políticos perante a banca. A administração Obama e os reguladores americanos procuram contrariar a percepção geral de que os bancos foram poupados pelo seu papel na crise financeira. No dia 30 de julho, o Wall Street Journal noticiava a instalação de monitores do governo americano junto do Deutsche Bank e do Barclays Bank em Nova York, como parte de uma investigação sobre uma possível manipulação no mercado cambial, onde estes são os dois maiores players mundiais.

Apesar das multas enormes pagas pelos grandes bancos, começa a ser opinião geral que estas terão um impacto reduzido na prevenção de futuros comportamentos ilegais, dada a capacidade que estas grandes instituições têm para absorver estas penalizações. As multas começam a ser vistas pelos bancos como um “custo para fazer negócio” e são passadas para os clientes e acionistas: os acionistas perdem pelo impacto que têm nos lucros finais dos bancos. Os clientes perdem pelas comissões que pagam e pelo “lixo” que lhes é vendido. Desta forma, não se está a mudar o comportamento dos gestores da banca, que têm grandes incentivos em entrar neste tipo de ilegalidades. Os seus bónus não são afectados.

Não deve ser objectivo dos Governos fazer dinheiro multando, como têm feito, os prevaricadores. É importante que os supervisores consigam que este tipo de comportamento seja banido e que não perverta um sistema de funcionamento de mercado que deveria ser são. Afinal de contas, estes são os senhores que “guardam” o dinheiro, que financiam a economia, que fixam as taxas para os financiamento e que permitem o acesso ao dinheiro. São neles que temos que acreditar para colocar à sua guarda o que poupamos, o resultado do que investimos e que esperamos poder ter para a nossa reforma e salvaguardar a riqueza para as gerações vindouras.

Porque razão não são punidos e inibidos de actividade quem pratica estes actos? Porque não podem os aforradores e investidores confiar que as instituições fazem o seu trabalho e assumem as suas responsabilidades?

II- A literacia financeira é a capacidade das pessoas processarem informação económica e tomarem decisões informadas acerca de planeamento financeiro, acumulação de riqueza, dívida e pensões.

O conhecimento financeiro pode ser visto como um tipo de investimento em capital humano. As pessoas que conseguem “acumular” conhecimentos financeiros podem conseguir, com os seus investimentos, retornos esperados acima da média.

III- A importância económica da literacia financeira

Os mercados financeiros de todo o mundo estão cada vez mais acessíveis ao “pequeno investidor”, à medida que se disseminam novos produtos e serviços financeiros, que mais tecnologia torna os mercados financeiros acessíveis em segundos a qualquer investidor, quer através de plataformas electrónicas quer através de empresas financeiras cujo principal objectivo é ganhar comissões com a compra e venda destes produtos e não, como deveria ser: investir os valores dos clientes com risco limitado e aumentar a sua riqueza a prazo.

As mudanças verificadas no sistema de segurança social e nas reformas estão a atirar cada vez mais para os trabalhadores e pensionistas as responsabilidades na poupança e investimento, enquanto que no passado, estas responsabilidades cabiam exclusivamente ao Estado e Segurança Social. Este processo de “desintermediação” obriga a que as pessoas decidam elas próprias o que poupar, onde investir e, durante a reforma, assumir a responsabilidade de gerir os seus activos para que não lhes falte nada.

Embora estes desenvolvimentos tenham vantagens, é também imposta às pessoas uma muito maior responsabilidade na poupança e investimento. Contudo, a esmagadora maioria das pessoas não está preparada para tomar estas decisões no seu melhor interesse.

As teorias microeconómicas convencionais assumem que as decisões de consumo e poupança são tomadas por indivíduos racionais e bem informados. Pressupõe ainda, que as pessoas consomem menos que os seus rendimentos em tempos de rendimentos mais elevados para poderem suportar o consumo em alturas em que o seu rendimento cai (ou seja, quando ficam desempregados ou se reformam).

Num estudo levado a cabo por duas professoras americanas publicado em março deste ano, são apresentados os resultados do trabalho que fizeram sobre a importância económica da literacia financeira, para vários países do mundo.

Estas duas professoras conceberam um teste muito básico de conhecimentos financeiros, composto por três perguntas:

1. Suponha que tem um depósito a prazo de 100 euros com uma taxa anual de 2%. Após 5 anos, quanto dinheiro teria na conta se tivesse deixado o dinheiro a render? a) Mais de 102 euros; b) Exactamente 102 Euros; c) Menos de 102 Euros; d) Não sabe; e) Recusa-se a responder.

2. Imagine que a taxa de juro do seu depósito a prazo é de 1% ao ano e a taxa de inflação é de 2% ao ano. Passado um ano, seria capaz de, com o dinheiro que tem na conta: a) Comprar mais coisas; b) Comprar as mesmas coisas; c) Comprar menos coisas; d) Não sabe; e) Recusa-se a responder.

3. Acha que a afirmação seguinte é verdadeira ou falsa? “Investir numa única acção oferece habitualmente um retorno mais seguro que investir num fundo de acções”. a) Verdadeira; b) Falsa; c) Não sabe; d) Recusa-se a responder.

Estas questões foram colocadas a grupos de pessoas estatisticamente representativos em vários países. Apenas na Alemanha (53,2%) e na Suíça (50,1%) uma pequena maioria respondeu correctamente às três questões. Nos Estados Unidos, esse número baixa para 30,2%, no Japão, 27% e na Itália, 24,9%. Na Rússia, apenas 3,7% das pessoas conseguiram responder acertadamente às três perguntas.

O resultado final de 6 anos de estudos sobre esta nova área de investigação económica é que os bancos e empresas financeiras vendem produtos a inocentes que estão à sua mercê. A média das comissões dos cartões de crédito pagas pelos americanos menos informadas é 50% mais alta que a paga por aqueles com maior literacia financeira.

O artigo da Bloomberg conclui: “devido à sua ignorância financeira, as pessoas são "roubadas" pelos seus bancos; compram casas que não podem pagar com a ajuda de crédito à habitação que não conseguem amortizar; as suas poupanças são dizimadas por vendedores de penny stocks; e, do outro lado da balança, os bancos remuneram-lhes o dinheiro que têm em depósitos a prazo a taxas inferiores à inflação. O 1% rapina os 70% de iletrados financeiros, não porque são pobres, mas porque não sabem o suficiente para tomar decisões informadas.

Em março de 2012, a Casa de Investimentos traduziu e publicou um livro sobre investimento em valor. O nosso objectivo era, e é, contribuir para o esclarecimento dos investidores, para que se protejam da ganância do sistema financeiro, não subscrevam nenhum produto que não entendem e potenciem as suas poupanças para o futuro. O objectivo destes artigos é o mesmo: chamar a atenção para o risco, o rigor e a consistência que são necessárias para tomar decisões de investimento que a prazo produzam bons rendimentos.