Voltar

As flutuações de preço têm apenas um significado importante: dão ao investidor a oportunidade de comprar quando os preços caem e de vender quando os preços sobem.

A 3 de outubro passado, a Apple atingiu a sua cotação máxima, 233,47 USD, valorizando a empresa em 1.121 triliões de dólares. Exatamente 3 meses depois, tinha perdido 40% daquele valor, cada ação cotava a 142 dólares. O S&P500, o maior índice de ações mundial, recuou cerca de 20%.

Em dezembro, muitas empresas variaram, no mesmo dia, mais de 10% entre máximos e mínimos, relembrando-nos que, por vezes, uma espécie de insanidade temporária toma conta do mercado.

No livro “A Teoria Geral do Emprego, Juro e Dinheiro”, Keynes realça as emoções que influenciam os nossos comportamentos e decisões: 

“A juntar à instabilidade devida à especulação, existe a instabilidade devida à característica da natureza humana que dita que uma grande proporção das nossas atividades depende de impulsos espontâneos e não de expectativas matemáticas ou económicas. Provavelmente, a maioria das nossas decisões apenas pode ser encarada como resultado de espíritos animais, isto é, uma tendência espontânea para a ação ao invés da inação e não como o resultado de uma média ponderada de benefícios quantitativos multiplicada pelas probabilidades quantitativas”.

A facilidade com que se compra e vende, sem conhecimento ou convicção, uma indústria centrada no curto prazo, o excesso de consultores e “ajudantes” e os media a regar o fogo com gasolina, são obstáculos enormes para que os investidores se mantenham fiéis a uma estratégia coerente de criação de riqueza.

Benjamin Graham explica, em “The Intelligent Investor”, o melhor livro alguma vez escrito sobre investimento, este pêndulo entre o medo e a ganância que paira sobre o mercado financeiro: “Imagine que detém, numa empresa privada, uma cota pela qual pagou 1000 dólares. Um dos seus sócios, o Senhor Mercado, é muito prestável. Diariamente, ele diz-lhe o que acha que a sua participação na empresa vale e oferece-se para comprá-la ou para lhe vender uma cota adicional na mesma empresa. Por vezes, o valor do Senhor Mercado parece plausível e justificado pelos desenvolvimentos e perspetivas do negócio. 

Frequentemente, no entanto, o Senhor Mercado deixa-se levar pelo entusiasmo ou pelo medo, e o valor que lhe propõe é pouco menos que ridículo.

Se o leitor for um investidor prudente ou um empresário sensato, vai permitir que a comunicação diária do Senhor Mercado determine a sua perceção do valor de uma cota de 1000 dólares na empresa? Apenas quando concorda com ele ou quando quiser negociar. O leitor poderá ficar satisfeito ao vender a sua cota por um preço ridiculamente alto e igualmente satisfeito ao comprar uma cota adicional quando o preço é baixo. O resto do tempo, no entanto, o mais inteligente a fazer é formar a sua própria ideia do valor da sua cota com base nos relatórios da empresa sobre as suas atividades e posição financeira.

O verdadeiro investidor encontra-se nesta mesma posição quando tem em carteira ações de empresas cotadas. Pode tirar partido do preço de mercado diário ou deixá-lo em paz.

Basicamente, as flutuações de preço têm apenas um significado importante. Elas dão ao investidor a oportunidade de comprar quando os preços caem e de vender quando os preços sobem. No resto do tempo, o investidor fará melhor se esquecer o mercado e prestar atenção aos dividendos e aos resultados operacionais das suas empresas.”