Voltar
Autoria
Terry Smith
Terry Smith
Artigo publicado originalmente no The Telegraph em 29 de outubro de 2016

Concentremo-nos nas coisas que sabemos que sabemos

Donald Rumsfeld, ex-secretário da defesa americano, declarou: Existem coisas que sabemos que sabemos. Existem coisas que sabemos que não sabemos. Mas também existem coisas que não sabemos que não sabemos

Fico estupefacto com a quantidade de tempo e esforço que as pessoas desperdiçam ao tentar adivinhar o que vai acontecer com as coisas que sabemos que não sabemos. Brexit, China, matérias primas, taxas de juro, o preço do petróleo, quantitative easing e as eleições presidenciais são todas coisas que sabemos que não sabemos.

Tomemos o Brexit como exemplo: quem se sentiria confiante em investir com base no desfecho de um evento sobre o qual todos as sondagens erraram? Alguns gestores de fundos, evidentemente: O Brexit mudou tudo, exclamou um gestor de fundos de retorno absoluto (que título inapropriado) que está a perder mais 20% desde o início do ano.

Pelo contrário, acho que até agora mudou muito pouco. No fim de contas, ainda não aconteceu.

Tenho muita pouca simpatia também pelos gestores louvados por estarem a subir 20% após o referendo. Eles estiveram, aparentemente, dispostos a apostar o dinheiro dos clientes no lançamento de uma moeda.

O problema não é apenas que estes eventos são difíceis, ou mesmo impossíveis, de prever. Os mercados são aquilo a que chamamos sistemas de segunda ordem: para investir com sucesso nesta base, temos, não apenas que prever o desfecho dos eventos, mas também saber o que o mercado estava à espera e como irá reagir.

Depois temos o problema das coisas que não sabemos que não sabemos. O evento que pode causar uma enorme variação no mercado pode ser algo que nunca ninguém detetou. É difícil prever o desfecho de algo que nem sequer sabemos que existe.

Uma solução de investimento proposta para esta incerteza são os chamados fundos de retorno absoluto que, em anos recentes, têm atraído enormes quantidades de dinheiro. De 2 mil milhões de libras em junho de 2008, subiram para 63 mil milhões em junho de 2016. Como se comportaram?

O fundo de retorno absoluto médio está a subir 0,7% no ano (2016) e teve ganhos de 2,9% em 2015 e 4,3% em 2014. Em contraste, o fundo Fundsmith Equity está a subir 42% no ano (2016), 15,2% em 2015 e 15,3% em 2014. Adicionalmente, os fundos de retorno absoluto fizeram pior que o MSCI World Index em 4 dos últimos 5 anos.

% Retorno Total até 30 setembro

2016

2015

2014

2013

2012

IA Targeted Absolute Return Sector

0,7

2,9

4,3

4,9

2,5

MSCI World Index

29,9

1,6

12,1

19,9

17,3

Deixando de parte o facto de que os fundos de retorno absoluto utilizam complexas estratégias de hedging que nem o leitor nem eu compreendemos, essas estratégias asseguram que, embora os investidores não percam dinheiro, também pouco ganham, ao ponto de a palavra retorno deixa de ser apropriada.

Em que nos devemos então focar? Sugiro três coisas.

Em primeiro lugar, invista em ações de bons negócios. Não são assim tão difíceis de identificar, uma vez que, tipicamente, já existem há muito tempo e produziram excelentes resultados financeiros ao vender produtos e serviços que os clientes desejam.

A empresa média no portfólio do fundo Fundsmith Equity, que eu giro, foi fundada em 1912. Tendo sobrevivido a duas guerras mundiais, à Grande Depressão e à crise financeira, essas empresas provavelmente sobreviverão a qualquer coisa conhecida ou desconhecida que surja pela frente.

Segundo, cinja-se às coisas que compreende. Nunca me cruzei com alguém que não acreditasse que este é um ingrediente essencial para o sucesso nos investimentos. No entanto, os investidores são terríveis a definir aquilo que compreendem. Compreendem mesmo o negócio dos bancos? Se não, porque investem em bancos? Como é que um fundo de retorno absoluto utiliza derivados? Não faz ideia? Então porque investe neles? Como funciona um exchange-traded fund? Então compre um fundo de índice (e se acha que um ETF e um fundo de índice são a mesma coisa, então definitivamente, não compreende o assunto).

Terceiro, não se preocupe em demasia com as avaliações. É muito fácil encontrar analistas e comentadores que dizem que as ações das boas empresas estão exageradamente caras. Mais cedo ou mais tarde, eles estarão certos, ainda que temporariamente, mas que ganhos deixará de acumular enquanto espera que isso aconteça? Se for um investidor de longo prazo, comprar ações de negócios excelentes é mais importante que a avaliação. Se não for um investidor de longo prazo, o que está a fazer no mercado de ações?

 


Esclareça as suas questões comerciais com um representante da Casa de Investimentos.

Serviço disponível nos dias úteis das 8h às 18h.