Voltar
Autoria
Jeff Bezos
Jeff Bezos

No recente testemunho perante o Congresso dos EUA, Jeff Bezos conta que a formação do capital inicial da Amazon dependeu do investimento de uma fatia substancial das poupanças dos seus pais.

Abaixo, partilhamos a tradução integral das declarações de Jeff Bezos:

Excelentes Investimentos na Próxima Geração: o caso de Jeff Bezos

Obrigado, Presidente Cicilline, Membro Sensenbrenner e membros do Subcomité. Eu sou Jeff Bezos. Fundei a Amazon há 26 anos com a missão de longo prazo de a tornar a empresa mais centrada no cliente da Terra.

A minha mãe, Jackie, teve-me aos 17 anos, quando era uma estudante do ensino secundário em Albuquerque, Novo México. Em 1964, em Albuquerque, estar grávida na escola não era popular. Foi difícil para ela. Quando tentaram expulsá-la da escola, o meu avô entrou em ação. Após negociações, o diretor disse: "OK, ela pode ficar e terminar o ensino secundário, mas não pode participar em qualquer atividade extracurricular e não pode ter um cacifo." O meu avô aceitou o acordo e minha mãe terminou o ensino secundário, embora ela não pudesse subir ao palco com os colegas e receber o diploma. Determinada a prosseguir com a sua educação, matriculou-se numa escola noturna, selecionando as aulas ministradas por professores que permitiam que ela levasse um bebé para as aulas. Ela levava duas mochilas - uma cheia de livros e a outra cheia de fraldas, biberões e qualquer coisa que me mantivesse entretido e sossegado durante alguns minutos.

O nome do meu pai é Miguel. Ele adotou-me quando eu tinha quatro anos. Ele tinha 16 anos quando veio de Cuba para os Estados Unidos, na Operação Pedro Pan, pouco depois de Castro ascender ao poder. O meu pai chegou à América sozinho. Os seus pais acreditavam que ele estaria mais seguro aqui. A mãe dele imaginou que a América seria fria, por isso fez-lhe um casaco com o tecido de panos de limpeza, o único material que eles tinham à mão. Ainda temos esse casaco; está emoldurado na sala de jantar dos meus pais. O meu pai passou duas semanas no Camp Matecumbe, um centro de refugiados na Flórida, antes de ser transferido para uma missão católica em Wilmington, Delaware. Ele teve a boa sorte de chegar à missão, mas não falava inglês e o seu caminho não foi fácil. O que também teve foi muita garra e determinação. Recebeu uma bolsa de estudos para a universidade em Albuquerque, onde conheceu a minha mãe. Recebemos ofertas diferentes na vida, das minhas maiores ofertas que recebi foi a minha mãe e o meu pai. Eles têm sido modelos incríveis para mim e para os meus irmãos ao longo de toda a nossa vida.

Aprendemos coisas diferentes dos nossos avós, e eu tive a oportunidade de passar as férias de verão dos quatro aos 16 anos no Texas, no rancho dos meus avós. O meu avô era funcionário público e rancheiro nas décadas de 50 e 60, trabalhou para a Comissão de Energia Atômica, com tecnologia espacial e sistemas de defesa antimísseis - e era autossuficiente e engenhoso. Quando estamos no meio do nada, não pegamos no telefone e ligamos para alguém quando alguma coisa se avaria. Você mesmo conserta. Quando era criança, pude vê-lo a resolver sozinho muitos problemas aparentemente insolúveis, quer fosse reparar uma escavadora Caterpillar avariada ou a fazer o seu próprio trabalho veterinário. O meu avô ensinou-me que temos a capacidade de enfrentar problemas difíceis. Quando encontramos um contratempo, levantamo-nos e tentamos outra vez. Podemos inventar o nosso próprio caminho para um lugar melhor.

 

Levei essas lições muito a sério e, quando adolescente, tornei-me um inventor de garagem. Inventei um portão automático com pneus cheios de cimento, um fogão solar com um guarda-chuva e papel de alumínio e alarmes feitos com assadeiras para apanhar os meus irmãos.

 

A ideia original para a Amazon surgiu em 1994. A ideia de construir uma livraria online com milhões de títulos - algo que simplesmente não seria possível no mundo físico - era excitante para mim. Na altura, trabalhava numa empresa de investimentos em Nova York. Quando disse ao meu chefe que me ia despedir, ele levou-me para uma longa caminhada no Central Park. Depois de me ouvir durante horas, ele disse-me: "Sabes, Jeff, acho que é uma boa ideia, mas acho que seria uma ideia melhor para alguém que ainda não tem um bom emprego." Ele convenceu-me a pensar nisto durante dois dias antes de tomar uma decisão final. Foi uma decisão que tomei com o coração e não com a cabeça. Quando tiver 80 anos e olhar para trás, gostaria de ter conseguido minimizar o número de arrependimentos na minha vida. E a maior parte dos nossos arrependimentos são atos de omissão - coisas que não tentamos, caminhos não percorridos. Essas são as coisas que nos perseguem. E decidi que, se pelo menos não desse o meu melhor, iria arrepender-me de não ter tentado participar nesta coisa chamada internet que eu achava que iria ser enorme.

O capital inicial da Amazon.com veio principalmente dos meus pais, que investiram uma grande parte das suas poupanças numa coisa que não compreendiam. Eles não estavam a apostar na Amazon ou no conceito de livraria na internet. Eles estavam a apostar no filho. Eu alertei-os que achava que havia 70% de probabilidades de eles perderem o investimento e eles, mesmo assim, investiram. Foram precisas mais de 50 reuniões para conseguir angariar 1 milhão de dólares de investidores e, em todas as reuniões, a pergunta mais comum era: "O que é a Internet?"

 

Ao contrário de muitos outros países, esta grande nação em que vivemos apoia os empresários e não estigmatiza os riscos que eles correm. Desisti de um emprego estável e mudei-me para uma garagem em Seattle para fundar a minha startup, no perfeito entendimento de que poderia falhar. Ainda me parece que foi ontem que levava as encomendas para o correio e sonhava com o dia em que teríamos dinheiro para comprar uma empilhadora.

O sucesso da Amazon foi tudo menos predeterminado. Investir na Amazon era, nesses tempos iniciais, extremamente arriscado. Desde a nossa fundação até ao final de 2001, o nosso negócio acumulou perdas de quase 3 mil milhões de dólares e não tivemos um trimestre lucrativo até ao quarto trimestre daquele ano. Analistas inteligentes previram que a Barnes & Noble nos destruiria e batizaram-nos Amazon. Em 1999, já estávamos no mercado há quase cinco anos e a Barrons publicou um artigo sobre a nossa morte iminente intitulado "Amazon.bomb." A minha carta anual aos acionistas de 2000 começou com uma frase que continha apenas uma palavra: Ouch. No auge da bolha da Internet, o preço das nossas ações atingiu um máximo de 116 dólares e, depois da bolha estourar, caíram para 6 dólares. Analistas e comentadores e especialistas previram a nossa falência. Foram necessárias muitas pessoas inteligentes, com disponibilidade para correr riscos comigo e para manter a força das nossas convicções, para que a Amazon sobrevivesse e, em última análise, tivesse sucesso.

 

E não foram apenas aqueles primeiros anos. Para além de sorte e ótimas pessoas, só conseguimos ter sucesso como empresa porque continuamos a correr grandes riscos. Para inventar, temos que experimentar e, se sabemos com antecedência que vai funcionar, não é uma experiência. Só se conseguem retornos excecionais se apostarmos contra a sabedoria convencional, mas a sabedoria convencional geralmente está certa. Muitos observadores caracterizaram os Amazon Web Services como uma distração arriscada quando começamos. O que tem a venda de poder de computação e armazenamento dados a ver com a venda de livros? questionaram-nos. Ninguém pediu a AWS. Mas, afinal, o mundo estava pronto e ávido por computação em nuvem, mas ainda não o sabia. Estávamos certos sobre a AWS, mas a verdade é que também corremos muitos riscos que falharam. Na realidade, a Amazon já perdeu milhares de milhões de dólares em experiências fracassadas. O fracasso acompanha inevitavelmente a invenção e o correr riscos e é por isso que tentamos fazer da Amazon o melhor lugar do mundo para falhar.

 

Desde a nossa fundação, temo-nos empenhado em manter uma mentalidade de primeiro dia na empresa. Com isto quero dizer que abordamos tudo o que fazemos com a energia e o espírito empreendedor do primeiro dia. Embora a Amazon seja uma grande empresa, sempre acreditei que se nos comprometermos a manter a mentalidade do primeiro dia como uma parte essencial do nosso ADN, seremos capazes ter o alcance e as capacidades de uma grande empresa e o espírito e o coração de uma pequena.

 

Na minha opinião, o foco obsessivo no cliente é de longe a melhor forma de alcançar e manter a vitalidade do primeiro dia. Porquê? Porque os clientes estão sempre maravilhosamente insatisfeitos, mesmo quando declaram estar felizes e os negócios correm bem. Mesmo quando ainda não o sabem, os clientes querem sempre mais e melhor e o desejo constante de encantar os clientes incentiva-nos a inventar constantemente em seu nome. Como resultado, o foco obsessivo nos clientes, motiva-nos a melhorar os nossos serviços, acrescentar benefícios e recursos, inventar novos produtos, reduzir preços e acelerar os tempos de entrega - antes que sejamos obrigados a fazê-lo. Nenhum cliente pediu à Amazon para criar o programa Prime, mas, no final de contas, eles desejavam-no. E poderia listar aqui muitos mais exemplos. Nem todos os negócios adotam esta abordagem que coloca o cliente em primeiro lugar, mas nós fazemo-lo, e essa é a nossa maior força.

A confiança do cliente é difícil de ganhar e fácil de perder. Quando permitimos que tornem a sua empresa o que ela é, os clientes serão leais até ao segundo em que outra empresa lhes ofereça um serviço melhor. Sabemos que os clientes são percetivos e inteligentes. Estamos convictos que os clientes notam quando trabalhamos arduamente para fazer a coisa certa e que, ao fazermos isso repetidamente, ganharemos a sua confiança. Ganhamos essa confiança lentamente, ao longo do tempo, fazendo bem as coisas difíceis - entregar dentro do prazo; oferecer preços baixos todos os dias; fazer promessas e cumpri-las; tomar decisões com base em princípios, mesmo quando são impopulares; e oferecendo aos clientes mais tempo para ficar com suas famílias, criando formas mais convenientes de fazer compras, ler e automatizar as suas casas. Como tenho vindo a dizer, desde a minha primeira carta aos acionistas, em 1997, tomamos decisões com base no valor de longo prazo que criamos através do que inventamos para servir as necessidades dos clientes. Quando somos criticados por essas escolhas, ouvimos e olhamo-nos ao espelho. Quando acreditamos que os nossos críticos têm razão, mudamos. Quando cometemos erros, pedimos desculpas. Mas quando nos olhamos ao espelho, avaliamos as críticas e, ainda assim, acreditamos que estamos no caminho certo, nenhuma força no mundo será capaz de nos mover.

 

Felizmente, a nossa abordagem está a funcionar. Segundo as principais sondagens independentes, oitenta por cento dos americanos têm uma impressão favorável da Amazon em geral. Em quem confiam mais os americanos do que na Amazon "para fazer a coisa certa?" Apenas nos seus médicos de família e nos militares, segundo um inquérito da Morning Consult, de janeiro de 2020. Académicos da Georgetown e New York University concluíram em 2018 que a Amazon só era ultrapassada pelos militares, entre todos os entrevistados, numa sondagem sobre confiança institucional e de marca. Entre os republicanos, ficamos atrás apenas dos militares e da polícia local; entre os democratas, estávamos no topo, em todos os ramos do governo, universidades e imprensa. No ranking de 2020 das Empresas Mais Admiradas do Mundo da Fortune, ficamos em segundo lugar (a Apple ficou em primeiro lugar). Estamos gratos que os clientes reconheçam o trabalho árduo que fazemos em seu nome e nos compensem com sua confiança. Trabalhar para ganhar e manter essa confiança é o maior impulsionador da cultura do Dia Um da Amazon.

A empresa que a maior parte de vocês conhece como Amazon é aquela que envia as suas encomendas online nas caixas castanhas com o sorriso nos lados. Foi aí que começamos, e o retalho continua a ser, por larga margem, o nosso maior negócio, responsável por mais de 80% das nossas receitas totais. A própria natureza deste negócio é entregar produtos aos clientes. Estas operações precisam de estar perto dos clientes, e não podemos terceirizar esse trabalho para a China ou qualquer outro lugar. Se queremos cumprir as nossas promessas aos clientes neste país, precisamos de trabalhadores americanos para entregar produtos aos clientes americanos. Quando os clientes compram na Amazon, eles estão a ajudar a criar empregos nas suas comunidades locais. Como resultado, a Amazon emprega diretamente um milhão de pessoas, muitas delas de nível básico e pagas à hora. Não empregamos apenas engenheiro de computação altamente qualificados ou MBAs em Seattle e em Silicon Valley. Contratamos e treinamos centenas de milhares de pessoas em vários estados do país, como West Virginia, Tennessee, Kansas e Idaho. Esses funcionários são armazenadores de pacotes, mecânicos e gerentes de fábrica. Para muitos, é o primeiro emprego. Para alguns, esses empregos são um ponto de partida para outras carreiras e temos orgulho em ajudá-los. Estamos a gastar mais de 700 milhões de dólares para dar a mais de 100.000 funcionários da Amazon acesso a programas de formação em áreas como saúde, transporte, machine learning e computação na cloud. Este programa chama-se Career Choice e pagamos 95% das propinas e taxas para a obtenção de um certificado ou diploma para áreas de elevada procura e elevada remuneração, independentemente de serem ou não relevantes para uma carreira na Amazon.

 

Patricia Soto, uma das nossas colaboradoras, é uma história de sucesso da Career Choice. Patricia sempre desejou seguir uma carreira na área médica para ajudar a cuidar dos outros, mas, com tendo apenas o ensino secundário e enfrentando os custos de uma educação universitária, ela não sabia se seria capaz de cumprir esse objetivo. Depois de obter o seu certificado médico por meio da Career Choice, Patricia deixou a Amazon para iniciar sua nova carreira como assistente médica, na Sutter Gould Medical Foundation, apoiando um médico de medicina pulmonar. A Career Choice ofereceu a Patricia e a tantos outros a oportunidade de uma segunda carreira que antes parecia estar fora do seu alcance.

 

Na última década, a Amazon investiu mais de 270 mil milhões de dólares nos EUA. Além da nossa própria força de trabalho, os investimentos da Amazon criaram quase 700.000 empregos indiretos em áreas como construção e hotelaria. As nossas contratações e investimentos geraram empregos muito necessários e adicionaram centenas de milhões de dólares em atividades económicas a áreas como Fall River, Massachusetts, o Império do interior da Califórnia e estados de Rust Belt, como Ohio. Durante a crise do COVID-19, contratamos 175.000 funcionários adicionais, incluindo muitos despedidos de outros empregos durante a paralisação económica. Só no segundo trimestre de 2020, gastamos mais de 4 mil milhões de dólares para fornecer produtos essenciais aos clientes e manter os nossos funcionários seguros do COVID-19. E uma equipa dedicada de funcionários da Amazon criou um programa para levar a cabo testes regulares para o COVID-19. Estamos ansiosos para partilhar o que aprendemos com outras empresas interessadas e parceiros governamentais.

O mercado de retalho global em que competimos é surpreendentemente grande e extraordinariamente competitivo. A Amazon é responsável por menos de 1% do mercado de retalho global de 25 triliões de dólares e menos de 4% do retalho nos EUA. Ao contrário de outros setores em que o vencedor arrecado todos os despojos, no retalho há espaço para muitos vencedores. Por exemplo, mais de 80 retalhistas, só nos EUA, arrecadam mais de mil milhões de dólares em receitas anuais. Como qualquer retalhista, sabemos que o sucesso da nossa loja depende inteiramente da satisfação dos nossos clientes com a sua experiência na nossa loja. Todos os dias, a Amazon compete com grandes empresas, estabelecidas há muitos anos, como a Target, Costco, Kroger e, é claro, a Walmart uma empresa com mais do dobro do tamanho da Amazon. E embora nos tenhamos sempre concentrado em oferecer uma ótima experiência do cliente para vendas no retalho feitas principalmente online, as vendas iniciadas online são agora uma área de crescimento ainda maior para outras lojas. As vendas online da Walmart cresceram 74% no primeiro trimestre. E os clientes estão cada vez mais a migrar para serviços criados noutras lojas que a Amazon não consegue ainda igualar pelo menos, na escala de outras grandes empresas como recolha no passeio e devoluções na loja. A pandemia COVID-19 destacou estas tendências, que têm vindo a crescer há anos. Nos últimos meses, a recolha no passeio de encomendas online aumentou mais de 200%, em parte devido a preocupações com o COVID-19. Também enfrentamos nova concorrência de empresas como Shopify e Instacart - empresas que permitem que lojas tradicionalmente físicas abram uma loja online completa quase instantaneamente e entreguem produtos diretamente aos clientes de novas formas inovadoras e uma lista crescente de modelos de negócio omnicanal. Como quase todos os outros segmentos da nossa economia, a tecnologia é usada em todo o retalho e só tornou o retalho mais competitivo, seja online, em lojas físicas ou nas várias combinações dos dois que compõem a maioria das lojas de hoje. E nós e todas as outras lojas estamos perfeitamente cientes de que, independentemente de como as melhores características das lojas online e físicas são combinadas, estamos todos a competir e a servir os mesmos clientes. O conjunto de concorrentes de retalho e serviços relacionados está em constante mudança e a única constante real no retalho é o desejo dos clientes por preços mais baixos, maior e melhor seleção e maior conveniência.

 

É também importante compreender que o sucesso da Amazon depende em grande medida do sucesso de milhares de pequenas e médias empresas que também vendem os seus produtos nas lojas da Amazon. Em 1999, demos, o que na época, foi um passo sem precedentes de receber vendedores terceiros nas nossas lojas e permitir-lhes que oferecessem os seus produtos juntamente com os nossos. Internamente, isto foi extremamente polémico, com muitos em desacordo e alguns previram até que este seria o início de uma longa batalha sem hipótese de vitória. Não precisávamos de ter convidado vendedores terceiros para as nossas lojas. Podíamos ter guardado esta valiosa propriedade para nós mesmos. Mas comprometemo-nos com a ideia de que, no longo prazo, isto aumentaria a seleção de produtos para os clientes e que clientes mais satisfeitos seriam ótimas notícias tanto para os vendedores terceiros como para a Amazon. E foi o que aconteceu. Um ano depois de adicionar estes vendedores, as vendas de terceiros representavam 5% das vendas unitárias e rapidamente se tornou claro que os clientes adoravam a conveniência de poder comprar os melhores produtos e comparar os preços de diferentes vendedores, todos na mesmo loja. Estas pequenas e médias empresas terceiras adicionam atualmente uma significativamente maior seleção de produtos às lojas da Amazon do que a própria operação de retalho da Amazon. As vendas de terceiros são hoje responsáveis por aproximadamente 60% das vendas de produtos físicos na Amazon, e essas vendas estão a crescer mais rapidamente do que as próprias vendas de retalho da Amazon. Apostamos que isto não seria um jogo de soma zero. E estávamos certos - o bolo cresceu, os vendedores terceiros saíram-se muito bem e estão a crescer rapidamente e tudo isto tem sido ótimo para os clientes e para a Amazon.

Existem atualmente 1,7 milhões de pequenas e médias empresas em todo o mundo que vendem os seus produtos nas lojas da Amazon. Em 2019, mais de 200.000 empreendedores em todo o mundo ultrapassaram os 100.000 dólares em vendas nas nossas lojas. A juntar a isto, estimamos que as empresas terceiras que vendem nas lojas da Amazon criaram mais de 2,2 milhões de novos empregos em todo o mundo.

 

Um destas vendedoras é Sherri Yukel, que queria mudar de carreira para poder estar mais tempo em casa com os filhos. Ela começou, à laia de passatempo, a fazer presentes e materiais para festas para amigos e, finalmente, começou a vender seus produtos na Amazon. Hoje, a empresa de Sherri emprega cerca de 80 pessoas e tem uma base de clientes global. Outra destas vendedoras é Christine Krogue, dona de casa e mãe de cinco filhos em Salt Lake City. Christine começou um negócio de venda de roupas de bebé no seu próprio site antes de se aventurar na Amazon. Desde então, ela viu suas vendas mais do que duplicarem e conseguiu expandir a sua linha de produtos e contratar uma equipe de funcionários em part-time. Vender na Amazon permitiu a Sherri e Christine desenvolverem os seus próprios negócios e satisfazerem os clientes nos seus próprios termos.

 

E é impressionante recordar o quão recente é tudo isto. Não começamos como o maior mercado o eBay era muitas vezes maior que nós. Só com um foco intenso no apoio aos vendedores e dando-lhes as melhores ferramentas que poderíamos criar, fomos capazes de ter sucesso e, eventualmente, superar o eBay. Uma dessas ferramentas é o Fulfillment by Amazon, que permite que os nossos vendedores terceiros armazenem o seu stock nos nossos centros de distribuição e a Amazon assume toda a logística, atendimento ao cliente e devoluções de produtos. Ao simplificar drasticamente todos os aspetos da experiência de vendas de uma forma económica, ajudamos muitos milhares de vendedores a expandir os seus negócios na Amazon. O nosso sucesso pode ajudar a explicar a ampla proliferação de mercados de todos os tipos e tamanhos em todo o mundo. Isto inclui empresas americanas como Walmart, eBay, Etsy e Target, bem como retalhistas sediados no exterior, mas que vendem globalmente, como Alibaba e Rakuten. Esses mercados intensificam ainda mais a concorrência no retalho.

A confiança que os clientes todos os dias depositam em nós permitiu que a Amazon criasse mais empregos nos Estados Unidos na última década do que qualquer outra empresa centenas de milhares de empregos em 42 estados. Os funcionários da Amazon ganham, no mínimo 15 dólares por hora, mais do dobro do salário mínimo federal (que instamos o Congresso a aumentar). Desafiamos outros grandes retalhistas a igualar o nosso salário mínimo de 15 dólares. A Target fez isso recentemente e, na semana passada, a Best Buy também. Damos-lhes as boas-vindas, e eles continuam a ser os únicos que o fizeram. Também não poupamos nos benefícios. Nossos funcionários a tempo integral, que trabalham à hora, recebem os mesmos benefícios que os funcionários assalariados, incluindo seguro de saúde abrangente a partir do primeiro dia de trabalho, plano de reforma 401 (k) e licença de paternidade, incluindo 20 semanas de licença de maternidade remunerada. Eu encorajo-o a comparar os nossos salários e benefícios com qualquer um dos nossos concorrentes de retalho.

 

Mais de 80% das ações da Amazon pertencem a acionistas exteriores à empresa e, ao longo dos últimos 26 anos - do zero - criamos mais de 1 trilião de dólares em riqueza para esses acionistas. Quem são esses acionistas? Eles são fundos de pensões: de bombeiros, polícia e professores. Outros são 401 (k) s - fundos de reforma que têm ações da Amazon. Endowments de universidades também, e a lista continua. Muitas pessoas irão gozar reformas mais confortáveis devido à riqueza que criamos para tantos, e estamos muito orgulhosos disso.

 

Na Amazon, a obsessão pelo cliente fez-nos o que somos e permitiu-nos fazer coisas cada vez maiores. Eu sei o que a Amazon podia fazer quando éramos 10 pessoas. Eu sei o que podíamos fazer quando éramos 1.000 pessoas e quando éramos 10.000 pessoas. E sei o que podemos fazer hoje, quando somos quase um milhão. Eu adoro os empreendedores de garagem - eu era um deles. Mas, assim como o mundo precisa das pequenas empresas, também precisa das grandes. Há coisas que as pequenas empresas simplesmente não conseguem fazer. Não importa o quão bom empresário sejamos, não iremos construir um Boeing 787 em fibra de vidro na nossa garagem.

 

A nossa escala permite-nos causar um impacto significativo em questões sociais importantes. O The Climate Pledge (Compromisso do Clima ) é um compromisso assumido pela Amazon a que outras empresas se uniram para cumprir as metas do Acordo de Paris 10 mais cedo antes e atingir dióxido de carbono zero até 2040. Pretendemos cumprir o compromisso, em parte, adquirindo 100.000 carrinhas de entrega elétricas da Rivian - um construtor de veículos elétricos com sede no Michigan. A Amazon pretende ter 10.000 novas carrinhas elétricas Rivian nas estradas já em 2022 e todos os 100.000 veículos na estrada até 2030. Globalmente, a Amazon opera 91 projetos solares e eólicos que têm a capacidade de gerar mais de 2.900 MW e entregar mais de 7,6 milhões de MWh de energia anualmente - o suficiente para abastecer mais de 680.000 casas nos Estados Unidos. A Amazon está também a investir 100 milhões de dólares em projetos de reflorestação global através do Right Now Climate Fund, incluindo 10 milhões com que a Amazon se comprometeu em abril para conservar, restaurar e apoiar soluções sustentáveis ​​de silvicultura, vida selvagem e natureza nas Montanhas Apalaches - financiando dois projetos inovadores em colaboração com The Nature Conservancy. Quatro empresas globais - Verizon, Reckitt Benckiser, Infosys e Oak View Group - assinaram recentemente o Compromisso do Clima e continuamos a incentivar outras empresas a juntarem-se a nós nesta luta. Juntos, usaremos o nosso tamanho e escala para enfrentar a crise climática imediatamente. E no mês passado, a Amazon lançou o The Climate Pledge Fund, com 2 mil milhões de dólares de financiamento próprio. O Fundo apoiará o desenvolvimento de tecnologias e serviços sustentáveis ​​que, por sua vez, permitirão à Amazon e a outras empresas cumprirem o Compromisso do Clima. O Fundo investirá em empreendedores visionários e inovadores que estão a criar produtos e serviços para ajudar as empresas a reduzir o impacto do carbono e a operar de forma mais sustentável.

Recentemente, inauguramos o maior abrigo para pessoas sem abrigo do estado de Washington está localizado no interior de uma das nossas novas sedes, no centro de Seattle. O abrigo é gerido por Marys Place, uma incrível organização sem fins lucrativos com sede em Seattle. O abrigo, parte do investimento de 100 milhões de dólares da Amazon na Marys Place, ocupa oito andares e pode acomodar até 200 familiares por noite. O abrigo tem o seu próprio posto de saúde e fornece ferramentas e serviços essenciais para ajudar as famílias a reerguerem-se. E existe um espaço para a Amazon fornecer consultas jurídicas pro-bono semanais que oferecem aconselhamento sobre questões de crédito e dívida, danos pessoais e direitos do inquilino. Desde 2018, a equipe jurídica da Amazon apoiou centenas de hóspedes do Marys Place e ofereceu mais de 1.000 horas pro-bono.

 

O Amazon Future Engineer é um programa global desenvolvido para inspirar, educar e preparar milhares de crianças e jovens de comunidades sub-representadas e carentes para seguir uma carreira em ciências da computação. O programa financia cursos de ciência da computação e desenvolvimento profissional de professores para centenas de escolas do ensino básico, aulas introdutórias e avançadas em Ciência da Computação para mais de 2.000 escolas em comunidades carentes em todo o país e 100 bolsas de estudos de quatro anos e 40.000 dólares para estudantes de ciência da computação carenciados. Os bolsistas recebem também estágios garantidos na Amazon. Existe um problema de diversidade na tecnologia, e isso tem um impacto descomunal na comunidade negra. Queremos investir na construção da próxima geração de talentos técnicos para a indústria e na expansão das oportunidades para minorias sub-representadas. Queremos também acelerar essa mudança agora. Para encontrar os melhores talentos para funções técnicas e não técnicas, fazemos parcerias ativas com faculdades e universidades historicamente negras nas nossas iniciativas de recrutamento, estágio e qualificação.

 

Permita-me encerrar dizendo que acredito que a Amazon deve ser escrutinizada. Devemos escrutinizar todas as grandes instituições, sejam elas empresas, agências governamentais ou organizações sem fins lucrativos. A nossa responsabilidade é garantir que passamos por esse escrutínio com mérito.

 

Não é por acaso que a Amazon nasceu neste país. Mais do que em qualquer outro sítio na Terra, novas empresas podem nascer, crescer e prosperar aqui nos EUA. O nosso país recompensa a desenvoltura e a autossuficiência e abraça os construtores que começam do zero. Nutrimos empreendedores e start-ups com um Estado de Direito estável, o melhor sistema universitário do mundo, a liberdade da democracia e uma cultura de correr riscos profundamente aceite. Obviamente, esta nossa grande nação está longe de ser perfeita. Mesmo quando recordamos o congressista John Lewis e honramos o seu legado, estamos no centro de tensões raciais. Enfrentamos também os desafios da mudança climática e da desigualdade de rendimentos e enfrentamos a crise de uma pandemia global. Ainda assim, o resto do mundo adoraria até mesmo o menor gole do elixir que temos aqui nos EUA. Imigrantes, como meu pai, avistam o tesouro que é este país eles têm uma perspetiva muito diferente e, muitas vezes, vêm isso com ainda mais clareza do que nós que tivemos a sorte de nascer aqui. Ainda é o primeiro dia para este país e, mesmo perante os imponentes desafios de hoje, nunca estive tão otimista relativamente ao nosso futuro.

Agradeço a oportunidade de comparecer perante Vossas Excelências e estou à disposição para responder às Vossas perguntas.


Esclareça as suas questões comerciais com um representante da Casa de Investimentos.

Serviço disponível nos dias úteis das 8h às 18h.

Save & Grow

Seja dono do seu destino.

Saiba mais