Voltar
Autoria
Ben Carlson
Ben Carlson

Post originalmente publicado no blog A Wealth of Common Sense

Não misture a política com o seu portfólio

Faltam apenas algumas semanas para a eleição presidencial americana, e podemos esperar uma inundação de previsões quanto ao impacto do candidato vencedor nos mercados e na economia.

Até pode ser divertido tentar adivinhar de que forma o resultado das eleições poderá afetar o nosso património, mas isso torna-se um exercício fútil, quando percebemos o quão não sabemos sobre o que acontecerá de seguida. Não apenas não sabemos quem vai ganhar, mas também:

  • Não sabemos que políticas vão implementar enquanto estiverem no cargo.
  • Não sabemos o quão recetivo o outro partido será relativamente a essas políticas.
  • Não sabemos de que forma a pessoa no cargo afetará os gastos do consumidor e o sentimento na economia.
  • Não sabemos os setores ou indústrias que sairão vencedores ou perdedores.
  • Não sabemos como vão reagir os investidores ao resultado das eleições ou o que já está incorporado no preço das ações.

Quando Trump foi eleito, muitos especialistas e investidores previram um enorme crash no mercado. Em vez disso, as ações subiram de forma consistente durante a maior parte do seu primeiro mandato, até ter surgido a pandemia. Durante o mandato de Trump, registaram-se mais de 130 novos máximos de todos os tempos no S&P 500.

Quando Obama foi eleito, muitas pessoas previram: O radicalismo (de Obama) está a matar o Dow. Muito pelo contrário, as ações dispararam em 2009 num bull market que durou toda a década seguinte. Registaram-se quase 130 novos recordes históricos no S&P 500 durante o mandato de Obama.

Não importa quem é o presidente, a tendência de longo prazo do mercado de ações é de subida:

E nenhum presidente na história moderna foi capaz de impedir quedas no mercado de ações:

Todos os presidentes desde Herbert Hoover passaram por bear markets.

Também não sabemos quem terá a maioria no Congresso nas próximas eleições. As promessas que os candidatos estão agora a fazer em campanha não serão necessariamente concretizadas se o seu partido não tiver a maioria no Congresso. O desempenho das ações também varia dependendo de quem controla o quê:

A verdade é que os políticos têm muito menos controlo sobre o mercado de ações do que a maioria das pessoas gostaria de acreditar. Geralmente, os resultados das políticas implementadas surgem com algum atraso e trazem consequências indesejadas. Como estamos a ver este ano, a economia e o mercado de ações nem sempre estão na mesma página. O facto de o nosso partido ocupar o cargo mais importante do país pode oferecer-nos uma ilusão de controlo, mas ninguém é maior do que o mercado de ações.

Além disso, grande parte do desempenho do mercado de ações, sob qualquer administração, depende de onde estamos no ciclo económico, quando tomam posse. Bill Clinton e Ronald Reagan assumiram o cargo em momentos oportunos durante um dos maiores bull markets da história. Pelo contrário lado, o mandato de Franklin D. Roosevelt iniciou-se na Grande Depressão e terminou na Segunda Guerra Mundial, enquanto que George W. Bush assumiu o cargo pouco antes do 11 de setembro e encerrou o seu mandato durante a Grande Crise Financeira.

Não importa quem vença no próximo mês, o importante é manter a política fora do nosso portfólio. As decisões financeiras já estão repletas de emoções, preconceitos e pontos cegos. Trazer a política para esta equação apenas amplia essas emoções e torna quase impossível a tomada de decisões racionais e claras.

Se estiver a considerar vender todas as suas ações com base no vencedor das eleições presidenciais americanas, assegure-se que tem resposta para as seguintes questões:

  • Se eu sair do mercado por causa do presidente, significa isto que terei que ficar de fora do mercado até que um novo presidente tome posse?
  • Se eu sair do mercado por causa do presidente e o mercado de ações subir, vou recomprar ou continuo à margem?
  • Se eu sair do mercado por causa do presidente e se der um crash na bolsa, vou comprar a preços mais baixos ou continuar a ficar de fora com base nas minhas crenças políticas?
  • Se eu sair do mercado por causa do presidente e as coisas não correrem tão mal como eu estava originalmente à espera, como vou saber que estava errado?

Não há respostas fáceis quando se trata de prever os mercados, porque ninguém sabe o que o futuro nos reserva.

No que diz respeito a misturar política com decisões de investimento, só tenho a certeza de duas coisas: (1) O mercado de ações vai subir e descer, não importa quem é o presidente, e (2) Investir o dinheiro com base na forma como votamos nas eleições não resulta em decisões financeiras equilibradas.


Esclareça as suas questões comerciais com um representante da Casa de Investimentos.

Serviço disponível nos dias úteis das 8h às 18h.

Save & Grow

Seja dono do seu destino.

Saiba mais