Voltar
Autoria
Morgan Housel
Morgan Housel

Originalmente publicado em 4 de fevereiro no blog Collaborative Fund.

Traços Infelizes no Investimento

Segundo Napoleão, um génio militar é, "O homem que consegue fazer a coisa média quando todos à sua volta perdem a cabeça".

O que ele quis dizer, penso eu, é que a maior parte das guerras são perdidas em vez de vencidas. O desfecho final é motivado mais pelos erros de um dos lados do que pelo brilhantismo do outro. Um erro pode anular uma dúzia de decisões inteligentes que o precederam. Portanto, ainda que a estratégia seja crucial, o especialista raramente se preocupa em perguntar: "Como posso ser ótimo?" A obsessão deveria ser: "Como posso garantir que estou pelo menos na média e nunca serei um desastre nos momentos mais importantes?

Investir não deveria ser a mesma coisa?

A maior parte desta indústria está devotada a encontrar a grandeza, o que é inevitável uma vez que é o que chama a atenção. Mas uma grande decisão ocasional pode rapidamente tornar-se irrelevante, a menos que evitemos consistentemente os erros que movem a agulha ainda mais. Não é empolgante, mas devemos esforçar-nos mais para garantir que somos capazes de fazer as coisas normais a toda a hora, antes de gastarmos um momento na tentativa de fazer algo grande de tempos a tempos.

Eis alguns traços de personalidade infelizes que impedem que os investidores façam o que é normal:

1. Personalização das vitórias e externalização das perdas.

Se escrevemos um certo código informático e ele funciona, podemos reclamar o crédito por isso. Funciona porque fizemos a coisa certa. Se não funciona, cometemos algum erro. Preto e branco.

Investir não é assim. Tantas forças colidem simultaneamente economia, política, negócios, mercados, psicologia que há mais margem de manobra para criar uma narrativa que justifique a razão pela qual algo aconteceu ou não aconteceu. A narrativa mais comum é que as vitórias são causadas pelas nossas decisões e as perdas são consequência de alguma força externa, geralmente os legisladores.

É a mentalidade mais confortável. Mas é uma bonança para o excesso de confiança num extremo e a ignorância no outro. Uma razão pela qual o setor financeiro cria tantos egos extraordinários é porque é fácil reclamar crédito pessoal pelo que funciona e alegar ser vítima do que não funciona. Os engenheiros industriais não podem simplesmente estar no lugar certo na hora certa ou culpar a Reserva Federal pelas suas falhas. Mas os investidores podem e fazem-no.

Uma regra de ouro no investimento é que quase nada é garantido e o melhor que podemos fazer é tentar colocar a nosso favor as probabilidades de sucesso. Uma vez que estamos a trabalhar com probabilidades e não certezas – é possível tomar boas decisões que não resultam, más decisões que resultam perfeitamente e decisões aleatórias que podem cair para um lado ou para o outro. Poucos setores são assim, o que torna isto mais fácil de ignorar. No entanto, esta é uma característica central dos mercados.

A menos que tenhamos desfrutado de um período de sucesso para o qual temos a consciência de nada ter contribuído, ou que possamos admitir que um longo período de perdas foi devido a erros próprios, teremos dificuldade em compreender a realidade de uma forma que nos permita, pelo menos, fazer a coisa normal quando todos os outros estão a perder a cabeça.

2. Ignorância daquilo a que chamamos "desastres normais".

Se os mercados nunca caíssem, não seriam arriscados. Se não fossem arriscados, ficariam muito caros, uma vez que todos os retornos potenciais teriam sido eliminados. Quando os mercados estão caros, eles são frágeis. E quando estão frágeis, caem.

Se aceitarmos esta lógica - e esta, na minha opinião, é a piada final de toda a história dos mercados - percebemos que as enormes quedas no mercado caracterizadas como surpreendentes, chocantes e inesperadas são, na realidade, mais que previsíveis. O momento exato não é previsível, mas a sua ocorrência é inevitável. Se formos apanhados num período estamos a perder um terço de nosso dinheiro e esse período se arrasta por um ou dois anos, nós não fomos atingidos por uma daquelas tempestades que ocorrem a cada 100 anos; acabámos de passar por uma experiência absolutamente normal. É por isso que são desastres normais.

O mesmo acontece nos negócios. Considere um grupo de 100 empresas de quase qualquer setor económico. As probabilidades de que não mais de metade dessas empresas ainda esteja no ativo daqui a uma geração são muito altas. Não porque se fundiram, mas porque foram eliminadas do mercado. A competição é implacável e a maior parte das vantagens competitivas morre. É um desastre, mas é normal e todos nos devemos preparar para esta eventualidade.

 

Se estivermos a voar num avião, normal significa que tudo está tranquilo e calmo. Investir é mais parecido com rafting. Vamo-nos molhar e ser sacudidos, e há uma pequena probabilidade de nos ferirmos ligeiramente. É mais ou menos o objetivo. Muitos erros no investimento acontecem quando as pessoas esperam que "normal" seja um período em que nada acontece de errado quando, na verdade, é normal que as coisas estejam constantemente a avariar-se e a partir-se.

É difícil fazer a coisa média se não conseguirmos aceitar que é normal que as coisas avariem, e que até avarias frequentes não impedem um enorme crescimento a longo prazo.

3. Assumir que experiências passadas oferecem conclusões valiosas para a era atual.

Os mercados serem voláteis e a concorrência implacável são características intemporais. Isto era verdade há 100 anos e sê-lo-á daqui a 100.

Porém, muitas outras observações de investimento são específicas de uma determinada época. Quanto mais granular a observação, mais específica ela é para um determinado período de tempo e menos confiança poderemos ter que ela se repetirá no futuro.

Muitos erros têm origem em investidores que viveram numa era passada e que esperam que a era atual seja idêntica. Quando isso não acontece, surge muitas vezes a frustração e reclamam que a geração mais jovem ignora as lições que a geração anterior aprendeu da maneira mais difícil. Às vezes isso é verdade. Na maioria das vezes, no entanto, é menos difícil assumir que os jovens não compreendem algo do que reconhecer que foi o mundo que mudou.

A coisa mais difícil de compreender é que algumas coisas nunca mudam, mas muitas mais coisas nunca se repetem.

Existem verdades intemporais sobre coisas como a inflação, mas o estado exato do mundo a exata mistura de tudo, desde geopolítica à capacidade de manufatura, passando pelos sindicatos e tecnologia que causou a inflação nos anos 70 nunca mais se repetirá. Isto não quer dizer que nunca mais teremos inflação; claro que teremos. Só que tudo aquilo que originará a próxima ronda de inflação elevada será diferente do que causou a anterior. Portanto, ter vivido os anos 70 não nos torna necessariamente mais bem equipados para entender a inflação moderna. Pode até ser prejudicial, porque a experiência em primeira mão pode dar-nos uma falsa sensação de confiança nas previsões. Isto é parte da razão pela qual, na última década, tantos economistas experientes erraram nas suas previsões para a inflação.

A experiência ajuda-nos se conseguirmos apreciar e separar aquilo que nunca muda daquilo que nunca se repete. Caso contrário, a experiência pode ser uma âncora, que nos impede, nos momentos mais importantes, de ver o mundo como ele é versus o que acreditamos que deveria ser.

4. Perceber onde estão os limites da nossa tolerância ao risco apenas quando os ultrapassamos, o que pode causar danos financeiros e psicológicos irreparáveis.

Daniel Kahneman diz que a chave para investir é ter uma noção bem calibrada do nosso arrependimento futuro. Esta pode ser, na realidade, a a chave para compreender todas as formas de risco. Conseguimos determinar exatamente quanto risco estamos dispostos a correr se soubermos exatamente quando vamos fugir, quando as coisas não correm bem.

Muitas pessoas, no entanto talvez a maioria não têm uma boa noção do seu arrependimento futuro. A única forma de descobrirem onde se encontram os limites da sua tolerância ao risco é quando passam por eles a correr e olham para trás, e finalmente percebem assumiram risco em demasia.

É aí que o problema explode. Quando ultrapassamos a nossa tolerância ao risco, é provável que tenhamos que enfrentar um impacto financeiro quando vendemos no pior momento possível e um impacto psicológico quando as cicatrizes da nossa provação nos tornam demasiado avessos ao risco no futuro.

Muitos investidores especialmente os investidores mais novos não fazem ideia de quanto risco conseguem tolerar, e quando pensam num futuro em que podem perder dinheiro, subestimam o tormento psicológico da incerteza que surge quando o mundo enfrenta uma situação que pode fazer cair as ações, digamos, 30% num mês. Ou ter que dizer ao seu cônjuge, filhos, colegas de trabalho ou vizinhos que o dinheiro de que nos gabávamos acabou.

Buffett discutiu uma versão disto após a explosão do hedge fund LTCM:

Para ganhar dinheiro que não tinham e não precisavam, arriscaram o que tinham e precisavam. Isto é uma tolice. É simplesmente uma tolice. Arriscarmos algo que é importante para nós por algo que não é importante para nós, isto simplesmente não faz sentido.

Não consigo dizê-lo melhor. Nunca arrisque o que precisa em busca do que não precisa.

5. A tendência de ser influenciado pelas ações de outras pessoas que estão a jogar um jogo financeiro diferente do nosso.

Em 1999, capitalização bolsista da Cisco era de 600 mil milhões de dólares. Porquê? Provavelmente não era porque as pessoas realmente pensassem que a empresa valia 600 mil milhões de dólares. Burton Malkiel notou, a determinada altura, que a taxa de crescimento implícita da Cisco nessa avaliação significava que, em 20 anos, a Cisco seria maior que toda a economia dos EUA.

O preço das ações subia porque os day traders acreditavam que continuaria a subir. E, durante muito tempo, estiveram certos. Era esse o jogo que estavam a jogar "esta ação está a transacionar a 60 dólares e acho que antes de amanhã, vai valer 63 dólares.

Mas se fossemos um investidor de longo prazo em 1999, 60 dólares era o único preço disponível para comprar. Então podíamos ter olhado em redor e dito para com os nossos botões: "Bem, talvez os outros saibam algo que eu não sei". E entramos no carrossel. E até nos sentimos inteligentes por causa disso.

Até que os day traders deixaram de jogar, e ficámos com o bebé nos braços.

O que não percebemos foi que os day traders estavam a jogar um jogo totalmente diferente do nosso.

Isto acontece sempre: se começarmos a ouvir palpites de pessoas que jogam um jogo diferente do nosso, é provável que nos enganemos e acabemos por nos perder. Jogos diferentes têm regras e objetivos diferentes.

Isto vai para além do investimento. A forma como poupamos, como gastamos, a nossa estratégia de negócio, como encaramos o dinheiro, quando nos vamos reformar e como pensamos sobre o risco; tudo isto pode ser influenciado pelas ações e comportamentos de pessoas que estão a jogar jogos diferentes. Poucas coisas causam mais problemas financeiros, arrependimentos, frustrações e incapacidade de fazer as coisas normais quando todos ao nosso redor estão a enlouquecer.


Esclareça as suas questões comerciais com um representante da Casa de Investimentos.

Serviço disponível nos dias úteis das 8h às 18h.