Voltar

Quando em 2010 a crise começava a dar os primeiros sinais no país, em Braga nascia a primeira e única gestora de fortunas fora de Lisboa e Porto. A Casa de Investimentos é presidida por Emília Vieira, uma mestre em Finanças, com 48 anos, que se apercebeu, desde cedo, que as pessoas "não estão preparadas para se defenderem da ganância do sistema financeiro".

Para combater o "comissionamento agressivo" e "agir no melhor interesse dos clientes", adotou a filosofia do investimento em valor, seguida pelo terceiro homem mais rico do mundo, Warren Buffett. O método exige "paciência", mas é simples: compram açoes de empresas extraordinárias quando estão baratas e, depois, vendem ao preço justo. Quando estão caras, aguardam.

A empresa, cofundada por Emília Vieira, Hugo Roque e Pedro Alves, conta atualmente com cerca de 200 clientes, sobretudo do Porto e Lisboa, mas diz ter capacidade para aceitar mais 150. Os fundadores têm conseguido um crescimento que consideram sólido, com rentabilidades anuais de 13,06% e de 85,811% em termos acumulados. No entanto, convencer os investidores de que são "um anjo da guarda do dinheiro" nem sempre foi fácil, sobretudo porque começaram em tempo de recessão e, no último ano, sentiram o medo instalado pela queda do BES.

"Iniciámos a gestão em 15 de novvembro de 2010. Nesse ano, as pessoas tinham medo, tinham a ideia enraizada de que num banco estão mais seguras. O que tentámos explicar é o que fazemos, qual a filosofia de investimentos e que não temos endividamento. Os ativos estão sempre depositados à guarda do banco, mas quem seleciona os investimentos e o que deve ser feito somos nós", relata Emília Vieira, relembrando, depois, o recuo com o fim do BES. "Destruiu a confiança dos investidores, porque tanto perderam os acionistas como os obrigacionistas", afirma.

Para esta gestora de fortunas - com uma carteira de 80 milhões atualmente - um dos principais problemas que justificam a perda de dinheiro em ações, por parte dos investidores, está na falta de formação e literacia financeira. E deixa o aviso: "É preciso que não se entregue dinheiro a papagaios, é preciso ler e não investir em nada que não entendam. O nosso trabalho é remover a ignorância. É estudar, é pensar, é ler os balanços das empresas, ver o que estão a fazer os melhores investidores do mundo e descobrir pérolas".

Atualmente, o valor mínimo para abrir uma conta na Casa de Investimentos é de 50 mil euros, mas a empresa tem já a decorrer um processo de licenciamento para criar um fundo destinado a quantias mais baixas, seguindo, igualmente, a filosofia do investimento em valor praticada por Warren Buffett, "o que também será único em Portugal", garante Emília Vieira.