Voltar

Reprodução de artigo originalmente publicado no blogue da EfConsulting e da autoria de António Nogueira da Costa, CEO da consultora:

O desenvolvimento dos negócios é influenciado pelas famílias empresárias, quando estas exercem a sua influência sobre os decisores acionistas ou gestores da empresa familiar.

Este exercício do poder de influência reflete a importância de envolver a família nas decisões com perspetivas de longo prazo.

O estudo “Global family business survey 2019” desenvolvido pela Deloitte, em 2019, questionou os participantes relativamente ao acordo da família empresária quanto ao desenvolvimento do negócio nos próximos 10 a 20 anos, tendo-se verificado que:

  • 30% de acordo,
  • 48% parcialmente de acordo,
  • 14% discorda,
  • 8% não sabe.

Estes dados refletem o envolvimento da família, total ou parcelar (78%), na aprovação das linhas de orientação a muito longo prazo, pelo que se deveria regular a existência da família empresária e a sua forma de atuação. Na atualidade, o processo de desenvolvimento de um protocolo familiar é o mais adequado para definir este reconhecimento e a operativa que defina a sua atuação.

Grupo Ferreira Martins tem a sua génese em 1974 e na atividade do setor das madeiras, iniciada pelo seu fundador, José Joaquim Ferreira Martins, na Póvoa de Lanhoso.

A integração dos filhos/as potenciou crescimentos significativos e a diversificação dos negócios, permitindo caminhar na constituição de um grupo empresarial sólido.

A 2ª geração tem vindo a impulsionar a capacidade criativa e a profissionalização dos investimentos:

  • a partir de 2006 o imobiliário que estava no âmbito particular e de empresas foi transferido para fundos imobiliários com distintos fins: o GFM Rendimento com imóveis destinados à habitação, serviços, comércio e indústria numa ótica de geração de rendas, e o GFM Património com perspetivas de valorização no longo prazo;
  • em 2019 surgiu a GFM Capital, assumindo-se como uma solução duplamente inovadora em Portugal: é a primeira sociedade de investimento de capital fixo autogerida – as decisões de investimento são dos administradores – e a precursora desta tipologia que investe exclusivamente em Bolsa.

Assumir na GFM Capital o objetivo de obter um rendimento médio anual de 10%, num horizonte de 50 anos, só mesmo com o apoio da família nesta visão de tão longo prazo.