Voltar
Autoria
Gary Mishuris
Gary Mishuris

Artigo publicado originalmente na revista Forbes em 26 de dezembro de 2020.

5 Lições Sobre Investimento de Charlie Munger

Charlie Munger é um investidor espantoso e sócio de Warren Buffett na Berkshire Hathaway. Recentemente deu uma entrevista a antigos alunos do CalTech [Instituto de Tecnologia da Califórnia] que tem muito para nos ensinar sobre investimento. Houve muitas perspetivas interessantes para investidores naquela entrevista, mas quero focar-me numa parte da entrevista, em que uma das pessoas que assistia pergunta a Charlie:

“De que forma encorajaria os investidores a fazer grandes apostas em grandes oportunidades de investimento, e como deveria isto ser ensinado no CalTech?

Ao que Charlie Munger respondeu:

“Não penso que o CalTech possa transformar a maioria dos indivíduos em grandes investidores. Isto porque, até certa medida, os grandes investidores são como os grandes jogadores de xadrez – quase nascem para serem investidores.

Obviamente, têm que saber muito. Mas trata-se, em parte, de temperamento. E, em parte, de gratificação adiada. Têm que estar dispostos a esperar.

Investir bem exige uma estranha combinação de paciência e agressão. E poucos a têm.

Também requer uma enorme dose de autoconsciência sobre o quanto sabemos e o quanto não sabemos. Temos que saber bem o limite da nossa própria competência.”

Desconstruamos a resposta de Charlie:

1. Algumas pessoas nascem para serem investidores

Charlie está a frisar que, no investimento, nem tudo pode ser aprendido. Sim, podemos ler todos os grandes livros de investimento que encontrarmos. E devíamos. Podemos estudar todos os grandes investidores do passado. E devíamos. No entanto, apesar de necessário, isso não é suficiente. Também precisamos de certas qualidades que algumas pessoas têm e outras… simplesmente não têm.

2. Temperamento

Que qualidades são estas? Bem, são melhor descritas como temperamento. O que é que isso significa? Imagine um cenário onde tudo lhe está a correr mal enquanto investidor. O mercado de ações está a desvalorizar os seus investimentos. Os seus pares discordam de si. Os seus clientes começam a duvidar de si.  Há algum tempo que não tem um bom ano no mercado. Ainda consegue manter-se fiel ao seu bem fundamentado processo de investimento? Ou vai desmoronar e ceder à dor e começar a desviar-se do plano de forma a tentar conseguir acompanhar o mercado?

3. Paciência

Parece tão simples. Simplesmente não faça nada quando não há nada que valha a pena fazer. E, no entanto, isto parece ser tão difícil de alcançar para a maioria dos investidores. Convencemo-nos, ou somos convencidos por outros, de que se formos suficientemente espertos, se nos esforçarmos, há sempre algo inteligente para fazer. E por isso escorregam pelo declive escorregadio do “suficientemente bom”. De cada vez que baixamos o grau de exigência isso parece insignificante, ou que nem aconteceu, mas eventualmente chega o momento em que já descemos encosta abaixo desde os picos da disciplina de investimento a que aspirávamos.

4. Jogadas agressivas

Não obstante toda a sua atividade quando lhes é exigida paciência, quando chega o momento de agir, a maioria dos investidores… não é suficientemente ativa. Recordo-me de uma apresentação Peter Lynch aos gestores de portfólio e analistas da Fidelity no início da minha carreira, há cerca de 20 anos. Ele disse à audiência que quando encontrassem uma excelente ideia de investimento deveriam atribuir-lhe um peso três, quatro vezes, superior no portefólio. E não apenas ligeiramente acima do peso do benchmark deles. Fez-se silêncio. Ninguém discordou do lendário investidor. E, no entanto, quando os gestores de portefólio voltaram aos seus gabinetes no dia seguinte, eu não vi ninguém mudar a sua abordagem ou os seus portefólios, que tipicamente continham centenas de investimentos pequenos, individualmente insignificantes.

5. Autoconsciência acerca do limite da nossa própria competência

Conhecer o limite da nosso próprio círculo de competência é crucial como investidor. Se não tem a certeza de que algo lá está, a resposta é simples: não está. A pena que decorre de esperar na atividade de investimento é baixa, desde que esteja a perseguir agressivamente as poucas excelentes oportunidades que encontre. E ainda assim tantos tentam responder a perguntas difíceis que como investidores deveriam deixar na pilha do “demasiado difícil” e seguir em frente. Se isto não é o viés do excesso de confiança em ação, não sei o que é.

Charlie Munger já antes nos ofereceu um manancial de lições profundas sobre o investimento. Manter-se racional. Avaliar a qualidade da empresa, não apenas o estatisticamente baixo preço da ação. Prestar atenção à capacidade de bem decidir e integridade da equipa de gestão.

No final, nada disto é suficiente para fazer de nós bons investidores se não formos capazes de fazer bem duas coisas simples, mas não fáceis, quando de facto é mais difícil fazê-las. Ser paciente quando não há nada a fazer, e ser muito agressivos nas raras ocasiões em que as estrelas se alinham e existe um muito bom investimento para ser feito.


Esclareça as suas questões comerciais com um representante da Casa de Investimentos.

Serviço disponível nos dias úteis das 8h às 18h.